Rádio Legal

XVII Conferência Mundial de Surdocegos

de 12 a 16 de agosto de 2019 - Gold Coast, Austrália

  • Quando: de 12 a 16 de agosto de 2019

Lara nasceu totalmente surda e teve perda severa de visão quando criança por conta de uma síndrome chamada Usher. Hoje Lara viaja o Brasil para falar sobre a sua condição de surdocega e está organizando um grupo para ir até a 17ª DBI- Austrália (Conferência Mundial de Surdocegos).

Ela vai à Conferência para apresentar dois trabalhos científicos. Lara é de Belo Horizonte e vai falar sobre as tecnologias que o Brasil vem desenvolvendo para as pessoas com surdocegueira. “Vamos representando duas instituições brasileiras, a ABRASC- Associação Brasileira de Surdocegos e FENEIS – Federação Nacional de Educação e Integração dos Surdos, ambas entidades filantrópicas e sem fins lucrativos.

O que queremos é incluir o Brasil nas discussões de políticas para a área de surdocegueira, em consonância aos movimentos de outros países mais desenvolvidos nesse segmento”, informa Caramano, um dos intérpretes da equipe.

A ideia é que a delegação viaje com alguns dias de antecedência para melhor ambientação dos surdocegos e adaptação ao fuso horário.

O evento tem um custo de aproximadamente R$ 10 mil por pessoa, incluindo-se despesas com inscrição, passagem aérea, hospedagem e alimentação. Os participantes, no entanto, não têm qualquer aporte financeiro oficial.

Por conta disso, a delegação criou uma “vaquinha online”, que aceita qualquer valor a partir de R$ 25. Além disso, os integrantes estão vendendo chaveiros com valores simbólicos e organizando eventos, a fim de levantar o dinheiro exclusivamente para cobrir os custos.

“Participaremos voluntariamente do evento, sem nenhum tipo de remuneração, diferentemente de governos de países desenvolvidos que contratam os profissionais para trabalharem nesse evento. O dinheiro levantado pela gente é exclusivamente para cobrir os custos de viagem”, explica Caramano.

Colabore com doações para que Lara possa participar deste evento

Leia mais na Folha Um

O Brasil também será representado pelo Centro Educacional João Fischer Sobrinho, que apresentará o trabalho de acessibilidade desenvolvido na área visual.

O serviço, mantido pela Prefeitura de Limeira, por meio do Ceprosom, é objeto de pesquisa da professora doutora Maria Aparecida Nina Cormedi, que será uma das palestrantes no painel de acessibilidade da conferência. O evento conta com profissionais do mundo todo que trabalham com o tema e possui outros dois painéis: comunicação e tecnologia.

A pesquisadora de São Paulo levará as boas práticas de Santana do Ipanema (AL), além de Limeira.

149 Visualizações

Menu do Ecolabore Portal